Folclore

Segundo o pesquisador Bariani Ortêncio, quando se fala de folclore no Brasil, se engloba três categorias: o folclore geral, nacional e conhecido por todos, como as lendas do saci-pererê, negrinho do pastoreio e iara, as festas e procissões consagradas a santos e à Nossa Senhora e comidas e bebidas, como feijoada e cachaça; o folclore regional, que apresenta elementos específicos ligados a expressões e tradições enraizados somente em determinada área, como as Cavalhadas de Pirenópolis, em Goiás, que são realizadas em diversos outros locais do Centro-Oeste, e o folclore local ou específico, que é aquele criado no cotidiano e que normalmente expressa traços de personalidade do ator do evento ou festa, como a Folia do Divino, em que a cozinheira pode incrementar o frango a ser servido com um tempero a mais ou incluir algo que não estava previsto, como por exemplo, um doce feito de rapadura ralada e amendoim torrado e socado, o pé-de-moleque.

Folclore Goiano

O traço multicultural de Goiás se reforça pela presença de um folclore rico, denso e diversificado, compreendendo danças, lendas, magias, superstições, coisas consolidadas no imaginário popular.